Onipotente.org
 * Beba na fonte da Igreja Cristã Primitiva: leia o Novo Testamento

  Página Inicial

Escritos de Julio Ugarte y Ugarte
Coletânea de textos do professor Julio Ugarte y Ugarte

A Cruz do Cristo (*) 

Que significa a Cruz do Cristo? Qual o seu simbolismo? Qual a sua transcendência histórica através das gerações? Por que é ela o único símbolo que temos nos templos da Igreja Cristã Primitiva? É o tema que, pela Santa Vontade de Nosso Senhor Jesus Cristo e Pai Nosso, me proponho realizar nesta conferência evangélica.

Antes da vinda do Senhor Jesus Cristo, a cruz era um símbolo de estigma, de maldição; ela serviu para castigo dos malfeitores. Assim, se deduz do conteúdo sagrado correspondente ao Antigo Testamento e consta, igualmente, nas escrituras que comportam o Novo Testamento.

Porém, esse símbolo tétrico, pavoroso, terrivelmente triste, mais que um castigo humano, entranhava um castigo divino, porque a Lei Mosaica teve a sua origem na Justiça Divina. Eis a razão do estigma bíblico: "Amaldiçoado o que seja pendurado no madeiro". Porém esse estigma da cruz, baldão da Humanidade, pois esta se encontrava crucificada pela Desobediência, sujeita à vontade do Dragão, da Serpente Antiga, o Príncipe dos Rebeldes, Satanás, o Diabo ou Mentiroso, sendo o mundo escravo, servo daquele "Príncipe da Potestade do Ar, que mora nos filhos da desobediência", foi essa cruz, transformada em símbolo da Potência Divina.

Os homens admitiram este símbolo, mas, depois de tremendas lutas, iniciadas pelo Espírito Santo nas palavras de Jesus e dos Seus Santos Apóstolos e Profetas no Espírito, ensinando o Evangelho de Obediência à Vontade de Deus, eles o esqueceram.

O Primeiro a conhecer e praticar a Doutrina, revelada pelo Pai Celestial, foi Nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos tira das cadeias do Demônio, resgatando-nos para Deus.

O mesmo Jesus, o Cristo: "Pelo muito que Ele padeceu, aprendeu a Obediência e, tendo-a consumado, tornou-se o autor da eterna salvação de todos os que lhe obedecem". Esta é a Cruz do Cristo, o Seu destino realmente sublime, levando, desde a sua mocidade, o Primogênito entre "os mortos" – entre os livres – a Sua Cruz.

Fica de manifesto, que a cruz tem duas faces; uma, a que sofre a Humanidade dentro da Lei de Liberdade (Desobediência); e a outra, dentro da Lei de Obediência. A primeira cruz, dentro da liberdade humana ou "livre arbítrio", nos conduz ao final à outra cruz, a Cruz do Cristo, para libertar-nos da cruz do Diabo.

A cruz de Satanás, do Rebelde, do Diabo, do Mentiroso, na qual foram pendurados os malfeitores, que faziam "as vontades dos seus pensamentos e os desejos da sua carne", foi transmutada pela Obediência Divina em símbolo de Redenção, de Perdão, de Libertação e, por último, de Glorificação ou seja, como dizia anteriormente, em símbolo da Potência de Deus.

Os escravos do Erro ficaram transformados pela Cruz do Cristo, em escravos da Verdade, em servos de Deus pelo Seu Cristo, o Salvador do mundo.

Analisando aquelas duas faces da cruz, compreende-se como, no plano divino, era mister primeiro levar a cruz material pela Desobediência, para posteriormente levar a Cruz espiritual em nosso corações, em nossos pensamentos, em nossa mente.

A primeira destas cruzes é pesada, pesadíssima mesmo; leva ela ao desespero, à impotência, às trevas... Não há conforto, não há salvação. Não há luz... A segunda cruz é leve... "ligeira é a minha carga".

Com a primeira cruz, somos somente "almas viventes"; com a segunda cruz, somos partícipes do "Espírito Vivificante".

A cruz de Adão é morte: "Deixai aos mortos que enterrem os seus mortos; vem e segue-me". A segunda Cruz é "o Caminho, a Verdade e a Vida Verdadeira".

A primeira leva à impotência; a segunda Cruz obra em nós, dentro da Obediência: "... eterno peso de Glória".

Os homens têm a eleger uma das duas cruzes: a de Adão ou a de Cristo.

A cruz adâmica é impotente por natureza: a alma é fraca porque está sujeita à carne, com a qual se identifica, incapacitando-se para poder cumprir os Mandamentos e Estatutos do Altíssimo. A segunda Cruz tem a Potência de Deus; pois Ele, o Eterno, em Cristo, leva, em nós, a Sua Própria Cruz.

Poucos puderam compreender a significação da cruz nos seus dois aspectos verdadeiros: dai o desviarem-se para as fábulas profanas, materializando o símbolo e destruindo, por consequência lógica, os seus altos e permanentes resultados, que se resumem nestes termos: Morte ou Vida.

Os homens, com a cruz de Adão às costas, pretendem resolver os seus próprios problemas... Em vão esforçam-se por cumprir os Mandamentos e Estatutos do Senhor; mas, não podem, são espiritualmente impotentes para isso. Não chegou à sua razão humana e, portanto, defeituosa, imperfeita, a compreensão de que ninguém pode cumprir os Mandamentos de Deus sem que, para esse fim, atue a Vontade Infinita. Não chega à sua consciência a Luz Iluminadora, a Luz da Consciência Cósmica, dessa Consciência Única, que tudo faz e que tudo desfaz, isto é, a Consciência Crística.

Felizmente, ainda é tempo, e tempo que não devemos perder, mas aproveitar, porque os "tempos angustiosos", "os tempos difíceis", nos dão a entender, à luz das profecias, o vencimento dos tempos.

Descerramos um mistério: somente o Cristo é o Único capacitado para cumprir os Mandamentos e Estatutos do Altíssimo; pelo que se depreende que, se não temos do Seu Espírito Santo conosco, jamais poderemos cumprir todos eles, cuja possibilidade de os consumar reside na Vontade Onipotente e Eterna, que se irradia aos que não temem a Cruz de Cristo e, ao contrário, amam-na com todas as suas forças: A OBEDIÊNCIA A DEUS.

Por estas razões fundamentais é que temos a Cruz do Senhor em nossos templos, símbolo da Potência Divina.

Que Deus seja com todos os que procuram a Cruz do Cristo. Amém.

(*) Porto Alegre, agosto de 1942. Publicado no Boletim Informativo n° 10 – março de 1988.

topo da página
Julio Ugarte y Ugarte
Página Inicial

ONIPOTENTE.ORG
Escreva para a equipe Onipotente.org. Clique aqui.

Escreva para a Equipe Onipotente.org

ONIPOTENTE.ORG - Igreja Cristã Primitiva
Na Internet desde 23 de julho de 2006

Escreva para a Equipe Onipotente.org